Sábado, 21 de Setembro de 2019
21:30
 
Imprimir
Fechar
sala principal
Público alvo: M12
   


À espera de Beckett ou Quaquaquaqua
Jorge Louraço 

   
Esta peça é antes de mais uma homenagem a Ribeirinho, cuja obra foi e continua a ser um exemplo de talento e dedicação, através da reedição de uma das suas características principais: a aliança entre o lado popular e o lado erudito do teatro. Para isso, recriamos três episódios específicos da carreira do ator e encenador: as três montagens de À Espera de Godot (1952), de Beckett. Esta homenagem e esta reflexão têm a forma de uma situação concreta: quatro atores tentam ensaiar uma peça de Beckett, na esperança que o autor venha assistir ao ensaio, em dois momentos particulares da história de Portugal, a seguir às eleições de 1958 e a seguir à morte de Salazar. O terceiro momento, um epílogo africano, será já com o país à beira da revolução. A primeira montagem da tradução de Nogueira Santos estreou em abril de 1959 em Lisboa, no Trindade, e apresentou-se no mês seguinte em Évora, Coimbra, Porto (no S. João) e Viana do Castelo. Dez anos depois, em março de 1969, de novo no Trindade, Ribeirinho volta a tentar e a falhar melhor, diria o autor irlandês, a montagem de Godot. Em 1973, Ribeirinho faz a derradeira tentativa, com uma companhia itinerante, apresenta a peça em Angola a colonos e militares.  
 
 
Ficha Artística  
 
Texto e encenação: Jorge Louraço  
Cenografia e figurinos: Patrícia Mota  
Desenho de luz: José Neves  
Sonoplastia: Pedro Pires Cabral  
Elenco: Estêvão Antunes, Mário Moutinho, Óscar Silva e Pedro Diogo  
Produção delegada: Antunes Fidalgo Unipessoal  
Direção técnica e produção executiva- Amarílis Felizes  
Coprodução: Teatro da Trindade – Fundação INATEL, Teatro Constantino Nery – Câmara Municipal de Matosinhos e Câmara Municipal de Viana do Castelo  
 
 
 
Preço  
Geral 5€
    Fechar