Quarta, 5 de Agosto de 2020
Domingo, 9 de Agosto de 2020
 
Imprimir
Fechar
Atlas Aveiro - Edifício Fernando Távora
Público alvo: M/6
   


Cultura em tempos de (in) certeza
Ciclo de Concertos 

   
Nos próximos dias 5 a 9 de agosto a Câmara Municipal de Aveiro promove um ciclo de concertos na escadaria do Atlas Aveiro - Edifício Fernando Távora. A iniciativa está integrada na estratégia "Cultura em Tempos de (In)Certeza", apresentada a 1 de junho com o intuito de apoiar o sector cultural e técnico local, nomeadamente nos seus programas de "Arte no Espaço Público" e "Medidas de Apoio às Artes". É, por isso, um evento realizado exclusivamente com músicos e DJs de Aveiro, assim como técnicos locais, organizado pelo Teatro Aveirense. Uma perspectiva do panorama musical de Aveiro, com o talento de Arianna Casellas, Charlez Lazer, Chefe Silva, DuEthos, Freddy Strings and the Groovefellas, Himalion, João Ferro, Lendário Homem do Trigo, mema., Rui Oliveira + Voz Nua, Saucy Bastards, Shange, Troll's Toy, Vénus Matina, DJ Colorau Som Sistema, Johnny Red, DJ Marcos 3000, Mighty Scorcher e The Selektors. O evento começa ao final da tarde e estende-se pela noite, com entrada gratuita mediante o levantamento de bilhete no Teatro Aveirense. Tendo em conta o atual contexto de epidemia, este ciclo é realizado de acordo com todas as normas de protecção, nomeadamente o uso obrigatório de máscara, a desinfeção das mãos, a fixação de lugares e o distanciamento de segurança.  
 
 
 
 
DIA 5 | PROGRAMA  
 
 
>>>> 19:00  
Vénus Matina  
 
Vénus Matina é um projecto musical formado por Eva Paiva na voz, André Teodoro na guitarra, Gabriel Moreira nos teclados, Vasco Lourenço no baixo e contrabaixo e Daniel Cardoso na bateria. Os temas originais que apresentam caracterizam-se por uma sonoridade que conjuga composições e arranjos, com claras influências do jazz fusão e bossa nova, a letras cantadas em Português com conteúdos que variam entre a temática interventiva e introspetiva.  
 
 
>>>> 21:30  
Saucy Bastards  
 
Os SAUCY BASTARDS são constituídos por Saucy Sam (guitarra e voz), Bruno Barreto (Baixo) e contam com as participações de Chico Beirão (Bateria/Percussão) , Jorge Loura (Guitarra) .  
Com background dos Souq (Jorge Loura / Bruno Barreto) , 47 de Fevereiro (Francisco “el Kilho” Beirão/ Jorge Loura) e Moonshiners (Sam / Bruno).  
Juntam-se no início de 2018, vários concertos depois surge o primeiro álbum “Dingo” , músicas sobre piratas, o amor e uma casa no campo.  
 
 
>>>> 23:00  
Charles Lazer  
 
Carlos Lázaro, Aveirense de gema, já não é um estranho na cena local. Envolvido em inúmeros projetos de diferentes estéticas musicais (Lazer Mike, FAINA, Moonshiners, Vítor Hugo, Antonio Bastos, Radio Shack), traz-nos a palco um espetáculo onde conflui todas as influências que a estrada lhe trouxe, sem rótulos, onde o experimentalismo e a improvisação farão parte da história que quer contar. BLANK PAGE surge com a vontade de criar em cada concerto momentos irrepetíveis, gerados através da energia em palco e das sinergias criadas com a audiência.  
 
 
>>>> Warm up  
Os Selektors  
 
Os Selektors constituídos por Estevão, Alex,Tobe e Luís surgem em Aveiro em 2018, suas sessões são uma viagem do Early Reggae, Rocksteady, Ska, Two Tones, Latin Ska ao 3rd Wave Ska. O colectivo costuma tocar nos locais nocturnos da cidade de Aveiro, o ano passado participaram no Festival do Canais 2019, garantido uma velada de muito divertimento e música com influência jamaicana.  
 
 
 
DIA 6 | PROGRAMA  
 
>>>>> 19:00  
DuEthos  
 
“Tudo o que eu digo é Mentira” é o nome de um monólogo que tem como ponto de partida o Silêncio. Aqui, a personagem depara-se com um mundo desconhecido até então, envolto em esquizofrenia. Nele, tenta expressar-se através da música e da escrita, desconstruindo-se entre a euforia e a desolação, o ódio e o amor e, essencialmente, entre a crença e a descrença em si própria. Chegada ao fim da viagem, acaba por se sentir resolvida quanto ao silêncio, encontrando um ponto de abrigo onde se consegue fazer ouvir."  
Projecto minimalista que procura aproximar as pessoas de si próprias através de um exercício introspectivo proposto pela música e pela poesia.  
 
 
 
>>>>> 21:30  
Freddy Strings & The Groovefellas  
 
Desde 2012, 'Freddy Strings' juntou a voz à guitarra num projeto dedicado aos seus artistas de eleição, em formato de covers. Passados alguns anos, dá início à escrita e composição de canções próprias e procura encontrar parceiros para a sua jornada. Pouco a pouco, a sorte dos caminhos veio trazendo os elementos que hoje formam o grupo 'Freddy Strings and The GrooveFellas', num projeto de originais, que traz um ar fresco e descontraído na música que quer dar ao público, não se fixando em estilos específicos. Trata-se de um grupo com vibrações calorosas que anima o neto, a mãe e a avó!  
 
 
>>>>> 23:00  
Shange  
 
SHANGE é o nome artístico de Gonçalo Lemos e marca o início do seu percurso no mundo da música eletrónica.  
Após um trajeto enriquecedor por vários projetos e sonoridades diferentes, SHANGE desvenda uma viagem pelo techno, glitch e IDM com uma abordagem muito própria.  
Influenciado por nomes como Floating Points, Aphex Twin e Objekt, EMBRYO é o seu primeiro single, lançado a 10 Janeiro de 2020 com o selo da editora Chilli Pepper Fields.  
 
 
 
>>>>> Warm up  
Mighty Scorcher  
 
A história de Mighty Scorcher tem início em 2006 nas festas de amigos, passando gradualmente para para o circuito de bares de Aveiro, a cidade natal. Rodando os sons quentes da Jamaica, a seleção é bastante eclética passando pelo ska, rocksteady, roots reggae, rub-a-dub, dub. A seleção vai desde os anos 60 até aos dias de hoje, 100% em vinil e tem grandes influências da tradição do Sound System jamaicano. O caminho passou ainda pelas Caldas da Rainha onde se formou em Som e Imagem pela Esad.CR e onde dinamizou variadas festas com nomes importantes da cena nacional. As boas relações estabelecidas permitiram a rodagem em sítios de referência do panorama reggae nacional. Actualmente Director Técnico da d’Orfeu Associação Cultural, em Águeda, colabora regularmente com o colectivo aveirense Backyard Soundsystem desde 2013 na organização de eventos ligados ao Reggae e suas vertentes.  
 
 
 
DIA 7 | PROGRAMA  
 
>>>>> 19:00  
Arianna Casellas  
 
Arianna Casellas canta o seu proto diário de viagem: uma mensagem metida em garrafa de vidro e atirada a um mar qualquer; um percurso de escadarias cujas direções não se entendem mas são giras de ver. Este disco navega por entre histórias de aventuras, nostalgia e muita família, acompanhado por sonoplastias discretas que espreitam nos momentos narrados das canções.  
Apercebeu-se então uma paisagem sonora de memórias, projeções e emoções dignas de um pirata maroto. Ou talvez só de alguém ainda bastante jovem, defendida pelos objetos aleatórios que usou para gravar as sonoplastias que acompanham as secções narradas das canções, do seu fiél Cuatro venezuelano e pela bravura do seu coração.  
Pretende não cair no típico belo nas suas explorações/composições musicais e vocais. Às vezes, aceita a sua sina e a agradabilidade de, de facto, cantar bem.  
Trabalha também com os Melifluo, com os Sereias e Zygosis. Para ela, as canções são fundamentais, tal como o vinho à refeição.  
 
 
>>>>> 21:30  
mema.  
 
Sofia Marques nasceu em Aveiro em 1991 e foi entre esta cidade e Ílhavo, onde cresceu, que descobriu a música e a tornou parte de si. Em 2006 entra para o Conservatório de Música Calouste Gulbenkian em Aveiro, para aprofundar os seus estudos de guitarra e técnica vocal. Por esta altura começou a compor a solo e daí a gravar e atuar quer em Aveiro quer em Lisboa, onde viveu dois anos. Mais recentemente, em Berlim, fez parte do coletivo de produtores de eletrónica “Strength in Numbers” (2016), onde iniciou a sua jornada como mema.. Já em Dublin (2016 – 2019), colaborou com vários artistas locais e outros projetos europeus. Em 2018 começa a explorar sonoridades tradicionais, resultando numa eletrónica pop de tons folk e sabor a sal.  
mema. representa a desconstrução do folk, assim como a sua colisão com o indie eletrónico e a música pop através de uma busca pela cultura e música tradicional portuguesa, conseguida pela fusão de instrumentos como o adufe, a guitarra portuguesa e a flauta. A eletrónica influenciada por Berlim e por artistas como Röyksopp, Fever Ray, Azam Ali, Baiuca. A pop entranhada pelas palavras sofridas de Lykke Li, pelo experimentalismo apelativo de Björk, por fortes artistas nacionais como Madredeus e António Variações.  
 
 
 
>>>>> 23:00  
O lendário homem do trigo  
 
O Lendário Homem do Trigo é um projecto a solo do músico/compositor Hugo Correia. Multi-instrumentista nascido em Trás os Montes, tem dividido a sua vida artística entre a carreira de músico de Orquestra, como Solista A do naipe de contrabaixos da Orquestra Filarmonia das Beiras desde o ano 2000 e a sua carreira como compositor e produtor onde se destacam os projectos Fadomorse, Só Vicente e O Lendário Homem do Trigo. Colabora regularmente desde 2007 com a companhia de Teatro de Aveiro Efémero e com o Teatro Universitário de Aveiro - Gretua, como compositor das bandas sonoras.  
Como “one man show“ e multi-instrumentista, o conceito musical do concerto ao vivo, passará sempre pela improvisação sonora sem limites estéticos e pela recriação das suas bandas sonoras, com o apoio de uma Orquestra Sinfónica Virtual Programada e Looping em tempo real.  
 
 
 
>>>>> Warm up  
DJ Marcos 3000  
 
Marcos 3000 já roda discos ao vivo desde 2014, prenda os ouvintes com cardápios que vão do electrónico ao metal com paragens em músicas de todos os cantos do mundo, transmitindo assim a sua filosofia de união universal por meio de frequências ordenadas.  
 
 
 
DIA 8 | PROGRAMA  
 
>>>>> 19:00  
João Ferro  
 
Tendo como influências nomes contemporâneos como FJK e Tash Sultana e uma fixação por atmosferas easy-listening de cariz alucinatório, Ferro sente-se particularmente à vontade com a manipulação de loops de guitarra eléctrica e teclado, gradualmente adicionados em camadas que quando amalgamadas, culminam num resultado puramente instrumental e muito aprazível que faz com que o ouvinte se perca em cenários imaginados de semblante psicadélico, mas sempre ausente de pretensões e apenas focado em transportar quem ouve para ambientes extrasensoriais, fazendo particular uso do espaço para propagar o som em concertos.  
 
 
>>>>> 21:30  
himalion  
 
himalion é a mais recente entidade artística de Diogo Sarabando que com EGRESS apresenta um conjunto de 8 canções que simbolizam um novo começo. Gravado no puppy garden studios - nome dado à casa onde o seu estúdio está sediado, que é também a casa onde cresceu - e sempre com um pé na natureza, EGRESS aborda conceitos como equanimidade e a importância de deixar ir (relacionado com a filosofia japonesa mushin). Fruto de um trabalho de exploração de contrastes, é retratado nestas canções uma pequena viagem partindo da confusão claustrofóbica e rochosa da montanha em direcção à vastidão e clareza do oceano.  
Além de EGRESS irão ser apresentadas pela primeira vez as canções do próximo registo (BLOOMING) a ser editado em breve himalion serve assim de mote para as explorações de Diogo pelo indie-folk, listando influências modernas como Fleet Foxes, Bon Iver e Sufjan Stevens, mas procurando sempre inspiração no folk e rock clássico dos anos 60/70 de Bob Dylan, The Band, Crosby, Stills and Nash e America.  
 
 
 
>>>>> 23:00  
Troll's Toy  
 
Estrutura e caos, guerra e paz. Gabriel Neves (Saxofone Tenor), João Martins (Bateria e Percussão) e Jorge Loura (Guitarra Barítono) imaginaram como seria se Frank Zappa, Wayne Shorter, Richard Wagner e Egberto Gismonti se encontrassem num concerto dos Tool e formassem um trio. Desta impossibilidade matemática nasceu Troll’s Toy.  
O trio trabalha composições originais que carregam sobre elas vapores de reacções químicas imprevisíveis, que ora resultam em novos materiais alcalinos, ora em soluções ácidas, orientando os relatórios destas experiências para um muito pouco contido e nada balizado jazz eléctrico de fusão, revelando uma amplitude estética invulgar. O trabalho de bateria e percussão é intenso, dramático e inventivo, catalisando todas as reacções em cadeia; o saxofone explora registos tão amplos que chega a parecer criar um diálogos de sopros distintos, quando, de facto, estamos na presença de um monólogo; e a guitarra travestida de baixo é precisa e omnipresente, suportando também nos silêncios e com mestria todos os outros decibéis deste laboratório de sons.  
Em resumo, explosão e contenção: é também por este motivo que as previsões meteorológicas possuem erros. E ainda bem - nesta não linearidade, a resposta não é necessariamente proporcional à intensidade do distúrbio: "estrutura e caos, silêncio e ruído, guerra e paz", lembram-se?  
 
 
 
>>>>> Warm up  
Colorau Som Sistema  
 
Duo de melómanos formados das cinzas do programa de World Music "Artesanato Sonoro" na Rádio Universidade de Coimbra. Selecionadores das mais raras e improváveis peças musicais direccionadas para as pistas de dança e provenientes dos lugares mais recônditos do Planeta. Esperam-se sons de todas as cores e ritmos com sabor a especiarias exóticas numa fusão onde a única certeza na pista de dança é uma clara noção de groove.  
Fazem-se visitas uplifting a Portugal, Angola, Cabo Verde, Brasil, Nigéria, Colômbia, Índia ou Jamaica em discos recentes e antigos.  
 
 
 
 
DIA 9 | PROGRAMA  
 
>>>>> 18:00  
Chefe Silva  
 
Com a certeza de que nenhum caminho nos leva longe demais, Chefe Silva é o concentrado de suor auditivo de um teimoso peregrino que caminha calmamente em direção a si mesmo. Cantautor de ambição, de guitarra em riste e voz na algibeira, apresenta nas suas aparições a solo, principalmente, canções seminuas. Algumas pertencem ao seu primeiro álbum "A Agulha e o Palheiro" enquanto que outras aguardam pela próxima Primavera. Canta em Português, para Inglês ver.  
 
 
>>>>> 19:30  
Rui Oliveira + Voz Nua  
 
Rui Oliveira  
Trabalhando como músico, cantando e tocando guitarra percorreu vários países da Europa, levando na bagagem o amor pela música e em especial pela música tradicional portuguesa e a improvisação. Viajando sozinho, sempre procurou interagir com os músicos locais, desenvolvendo o gosto pela partilha, comunicação e improvisação musical ao vivo. Desde então produz espectáculos ao vivo trazendo a palco as várias personagens que o habitam.  
 
Voz Nua  
O nome, uma combinação da língua portuguesa e da língua gaélica, representa a diversidade cultural do grupo. Em gaélico, a palavra 'nua' significa novo, fresco e puro. Em português a mesma palavra significa despida. A criação do nome deste projeto considerou a polissemia da palavra como metáfora do repertório e dos objetivos do coro. Desta forma, Voz Nua remete para 'voz pura' ou 'voz sem instrumentos'.  
 
 
>>>>> Warm up  
Johnny Red  
 
DJ Johnny Red é o "alter ego" de João Nuno Silva, melómano convicto com os ouvidos ligados directamente ao coração.  
O percurso do DJ Johnny Red começou no início dos anos 90 e até hoje não tem parado. Além do habitual circuito de bares da região de Aveiro e Coimbra, várias foram as participações em festivais como: Festival Rádio Faneca em Ílhavo; Festival do Bacalhau em Ílhavo; Festival Tom de Festa em Tondela; Festival O Gesto Orelhudo em Águeda; Festival Arraial em Flagrante em Proença a Nova; Festival Aveiro é Nosso em Aveiro.  
Em tempos também foi locutor de rádio na Rádio Independente de Aveiro e na Webrádio Rádio @s, também de Aveiro, onde se dedicou à divulgação da música Feita por portugueses  
Qualquer amante de boa música fica imediatamente conquistado pelas verdadeiras viagens que este DJ ou melhor, Mete Discos, proporciona.  
Rock, Pop, Folk, Indie Rock e qualquer outra "gaveta" musical, fazem parte do set que não deixa ninguém indiferente. São sempre momentos em que a música é divulgada com muito Amor. Dá para bater o pezinho, tocar air guitar e até dançar.Enfim, o que se trata mesmo é de festa garantida.  
  ENTRADA GRATUITA  
Mediante levantamento de bilhete no Teatro Aveirense. Bilhetes disponíveis no próprio dia a partir das 14h.
    Fechar